terça-feira, 27 de janeiro de 2009



















Levado pelas ondas do mar, o tempo percorre-se a si mesmo de forma indelével, simultaneamente lenta e veloz.

Um comentário:

  1. Construí um abrigo no deserto da emoção
    Os vales são as ruas de um Deus
    Fecha-se a alegria da terra
    Um último olhar de amor, solto dos olhos teus

    Na noite tudo se perde
    Mora a sombra, o desvario
    A indomável vontade do amor
    Tem a força de um Rio


    Mágico beijo

    ResponderExcluir